quinta-feira, 24 de maio de 2012



08 de Fevereiro de 2007

Por favor...Diz que vai ficar?   Diz que pelo menos dessa vez você vai me olhar dentro dos  olhos de forma que me deixe corada e dizer que me ama de novo? Diz que você vai me dar atenção e voltar a sorrir das coisas bobas da  vida? 
Diz que você vai voltar pra casa e me abraçar forte como antes? Só me diga que vai voltar.
Quem sabe para mais um chá ou uma longa conversa de primavera à sós na varanda.  Sinto que você está distante de mim e sei que de certa forma a culpa é minha. Talvez pelas minhas mudanças repentinas de humor que variavam entre noites calorosas e gritos de ira ao amanhecer. Às vezes sou carinhosa, ignorante. Gosto dos dois lados. Faz com que eu me sinta de carne e osso e foge dos meus princípios de perfeição. 
Mas também sei que exigi demais de você. Me perdoe. Só queria que tudo fosse perfeito. O perfeccionismo é algo que me define e você sabe muito bem. Acredito que isso tem que mudar em mim e não mudar o jeito que você é. Nunca quis que isso acontecesse.
A verdade é que eu queria te moldar para que fosse perfeito. Mas na verdade você já era perfeito e não havia nada que fosse necessário mudar. Posso dizer que mais uma vez minha ambição estragou tudo aquilo que havia sido posto em meu destino
Oi? Eu estou aqui sabia? Para quê toda essa pressa de deixar esse lugar? Lembro que esse era o seu lugar prediléto. Você costumava deitar do meu lado em uma velha rede a observar as folhas do outono despindo as árvores lentamente. Hoje você tem tanta pressa que preciso implorar por atenção. Parece que você esqueceu que isso era algo que te alegrava e que te enchia de felicidade. Infelizmente nem o reconheço mais. Você não é mais o mesmo. Não tem o mesmo brilho no olhar, não tem mais a mesma paixão pelas coisas simples da vida. Não tem mais simplesmente paixão.
É a vida... Sabia que uma hora tudo que é perfeito escapa de nossos dedos. Preciso mendigar atenção e viver de migalhas divididas ainda assim com todo o resto do mundo. Há quanto tempo que não tivemos um almoço em família? Sabe, daqueles eu e você sem celulares e chefes e clientes e todo o resto do mundo pressionando você? Sem que no meio de nossa refeição você ter que me pedir desculpas e sair pra resolver algo mais importante?  Eu sinto saudades disso.
Eu sei que das vezes que eu te liguei e te interrompi o seu expediente de trabalho ligando pra dizer um "Eu te amo" no fundo eu sabia que não era a minha voz que você queria ouvir.  É, parece bobeira, mas tudo isso me mata por dentro. Mata saber que antes eu era a coisa mais importante da sua vida e hoje sequer tenho um espaço no seu coração. 
 Sei que não irá nem sequer ler, pois faço longas cartas pra ninguém. Não lhe encomodarei mais. 
Querido, posso te pedir só mais uma coisa? Eu lhe suplico:  Apenas seja quem eras e me ame mais uma vez de toda a sua alma; 
Eu te amo mesmo assim e eu te amo como nunca amei antes. 


2 comentários:

Cat Campos disse...

Olá seguidora do Hiperbolicat!
Estou passando pra avisar que migrei para o blog Doce Ilusão.
Beijos, Cat.
http://blogdoceilusao.blogspot.com.br/

Carolina Hermanas disse...

É tão triste quando temos que mendigar amor.Mas afinal,pelo jeito, a protagonista ai tbm quis algo que não podia né?É tão mais fácil fantasiar alguém do nosso gosto..mas porque não aceitar os defeitos dos outros e ser feliz com isso?


Beeijinhos <3