sábado, 9 de outubro de 2010

A carta


Meu desejo era falar tudo o que estava entalado em minha garganta, mas nunca consegui me expressar. Sabe... hoje eu me lembrei da manhã em que você partiu. Eu lembro que te abracei fortemente, e não consegui dizer nada. Apenas te olhei, e tentei acalmar meu coração, que batia de um jeito enfurecido. Eu mantive a esperança de que você voltaria para meus braços, e me tomaria como sua mais uma vez
Desde que você se foi, minha vida ficou vazia, penso em você todas as noites, com sonhos amargos e deprimentes. Tenho a ilusão de que você entrará pela porta e acalmará meu coração cansado e assustado. Talvez, essa falsa ilusão é o que me mantém viva.
Me lembro dos dias felizes, em que você era meu abrigo, e eu me sentia segura ao seu lado. E me arrependo amargamente de nossas brigas e discussões tão fúteis e infantis. Às vezes eu olho na janela, e vejo a mesma cena varias vezes em minha mente, em que você me deixa sozinha.
Nunca pensei que te amaria assim. Sem você, eu me sinto sem ar, sozinha em um oceano de tristeza, só com a esperança de você continuar vivo. Meu coração continua batendo só por ti, esperando nem que seja uma noticia, a cada noticiário que corre. Eu continuo sofrendo, desesperançada para que eu te veja pela ultima vez.
Hoje, querido, chove lá fora. Saiba que quando você olhar pro céu, essa chuva, que molha o seu corpo são as lagrimas que eu não derramei naquele dia. São lagrimas engasgadas, que foram sufocadas no interior da minha alma, e hoje elas te cobrem, do mesmo modo que eu anseio tocar o seu corpo todos os dias, desde que você se foi.


Eu só queria que você soubesse de tudo o que eu sinto, para que nosso amor não tenha sido em vão.
Eu te amo...

Um comentário:

Elania disse...

Chorei :/ sério. Muito linda *-* Sorte pra vc, bjjs