quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Amor Maior

Aquele verão se mostrava desde cedo, o sol escaldante se debruçava sobre o céu azul e límpido. Nós tínhamos percorridos algumas quadras, com os rostos molhados de suor e com grandes sorrisos nos lábios e no coração. Nós éramos adultos, com a alma de uma criança. Pregar peças em mais velhos e correr para o interior da floresta dominantemente verde nos fazia lembrar o tempo de que éramos menores de tamanho. Seu sorriso me encantava me hipnotizava como um raio. “Queria que você soubesse que eu adoro o jeito que você sorri eu não me cansava de dizer isso a ele. A gente confessava nossa admiração em simples e pequenas ao que pareciam insignificantes palavras, mas de grande valor. A terra e a grama verde colavam-se ao nosso corpo suado da correria nos campos de todos os dias, enquanto ele me divertida com suas piadas sujas sobre qualquer coisa sem importância alguma.  Nós aproveitávamos cada dia como se fosse o ultimo, e fazíamos com que ele se tornasse eterno em nossas memórias. Deitávamos na grama molhada do sereno, e contávamos as estrelas, que de uma forma inexplicável se multiplicavam diante dos nossos olhos. Um presente divino dado a nós todas as noites de felicidade. O perigo da escuridão se mostrava tão minúsculo diante da imensidão da beleza do universo que nos cercava. Meu coração transbordava de um sentimento que não podia ser traduzidos nem nas mais lindas palavras. A única coisa que eu conseguia era segurar forte suas mãos nas minhas e admirar a imensidão e a perfeição. Admirar a vida. Envolvê-lo de corpo e alma, enquanto eu pudesse.
Chegou a hora de ir embora, infelizmente tudo precisava ter um fim. A grande beleza nos contemplou com o sorriso da aurora, e um grande abraço caloroso e acolhedor, onde os meus medos se tornariam apenas coisas banais. O jipe empoeirado aguardava-me ansiosamente para sentir a emoção da brisa e dos raios de sol beijando delicadamente meu rosto, se despedindo da eternidade começada naquela noite.
Despedi-me dele, ele precisava seguir seu destino. Separamo-nos com muito afeto: ele, de dentro do ônibus, ainda me disse adeus, com a mão. Conservei-me à porta, a ver se, ao longe, ainda olharia para trás, mas não olhou... Manteve seus olhos afastados de mim, para que as lágrimas da despedida não escapassem de seu refúgio. Eu permaneci intacta, esperando até o ultimo momento de ter que dizer adeus. E ele partiu, deixando-me com um vazio no peito.
Foi então a alguns metros depois o sonho se desmanchou em desgraça, o som ensurdecedor do freio, seguido de uma forte batida fez com que ele desacordasse. Seu ônibus havia batido... Entre feridos, mortos me entreguei de corpo e alma. Ele não podia me deixar, não agora. Implorei para que ficasse comigo, e não me deixasse sozinha, pois sem ele não era ninguém.
No dia seguinte, a notícia já estava em todos os jornais. Acidente trágico de um ônibus que chorara com um poste, dez jovens feridos, um em estado grave. E esse jovem, não era eu. Tive sorte de estar viva, de não entra naquele ônibus com ele, minha alma revirava-se o quanto podia, porque eu o havia eu o deixado ir, e era sim ele, o jovem ferido, por minha culpa de tê-lo deixado escapar das minhas mãos.
Ele precisava de um coração, e a fila de transplantes era grande demais, ele não iria sobreviver.  Foi então que eu decidi fazer com que minha antiga promessa se tornasse real. Um dia, ele me questionou:
- O que você me daria de recompensa por te amar tanto? – Ele sorriu em um tom de brincadeira.  E eu disse:
- Eu lhe daria o meu coração – respondi. E vou fazer com que isso se torne realidade. Tenho certeza, que se fosse eu que estivesse no lugar dele, ele faria o mesmo por mim.
O tempo passou. Depois daquele dia eterno eu o presenteie com sua recompensa. E ao passar de alguns anos sem mim, ele ainda continua olhando na janela, para o nada, calado, sozinho, inquieto, tentando se lembrar de alguma coisa, ou alguém que fizesse parte da vida dele, mas hoje não faz mais. Tentando buscar na memoria algum vestígio de alguém que ele realmente amou. Todos os momentos foram esquecidos, jogados fora para algum lugar do fundo de sua consciência. Tive que dar meu coração para alguém que eu amava, para não ter que viver sem ela. Um dia, espero que meu irmão se esqueça de completamente daquela noite no campo, e não se culpe pelo que fiz com a minha vida. Espero que ele possa seguir sua vida feliz, sem sofrimento e sem culpa, porque o meu coração insiste em brilhar radiante dentro do seu peito. E eu em qualquer lugar que eu estiver, continuarei insistindo em seguir a minha jornada do jeito que eu sempre levei minha vida: Com grande felicidade, paz e eterno amor.

8 comentários:

Danii disse...

No final bateu um arrepio, uma certa tristeza. Sei lá, jamais quero passar por algo assim, deve ser muito triste D: Admiro a personagem por ser tão forte e ter dado o seu coração a ele :D
Bgs:*

. pamela moreno santiago disse...

Acho que nunca consegui ser tão profunda em um texto quanto você. Parabéns e continue escrevendo estes textos que me encantam cada vez mais.

Beijos

Caroline Araújo disse...

Passava por aqui e fiquei instigada a ler o texto, e me surpreendi de uma forme incrível. A história envolve-me e prendeu-me de maneira inesperada. Apesar de ser um texto melancólico, este ficou cheio de um amor incondicional.
Grande beijo, belo história.

Jéssica disse...

seu txt me lembrou o filme 7 vidas com o will smith, eu chorei no filme e me arrepiei lendo, parecia que a cena passava diante dos meu olhos.

http://surtosmodeon.blogspot.com

Jessica disse...

Olá! Muito bonito o seu texto.Você descreveu com palavras profundas,e admirei a forma como vc misturou vários projetos em um único.Meus parabéns!

Se algum dia puder,passa no meu blog! Obrigada!

http://lamoursda.blogspot.com/

Jessica *.* disse...

Olá! Postei um comentários dias anteriores.Gostei realmente do teu blog!
Te indiquei um selo.Só ir buscar no meu blog!

http://lamoursda.blogspot.com/2011/02/selinho.html

E seguir duas regrinhas:

1º Indicar 10 blogs que você goste.
2ª Dizer quatro (maneiras) atos de amor que são importantes para você.

Um grande beijo!

Jéssica disse...

Oii querida !
Gostei do seu blog.
Visite o meu:
http://xxx-memories-xxx.blogspot.com/
Se gostar pode seguir, serás bem vinda lá.

Beijoos.

Italo Stauffenberg disse...

mimimi, acho que já avaliei ese blog em minha época de blq! suas cartas são lindas! parabéns por todas!

abração!

Manuscrito.